segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

CARNAVAL OU ENTRUDO, AS SUAS ORIGENS E IGUARIAS À MESA

Apraz-me saber que, em Portugal, as tradições carnavalescas continuam a ser cumpridas à risca com o lema de que “a vida são dois dias e o carnaval três”, com toda aquela alegria e o simbolismo próprio da época, apesar de se ter importado o samba brasileiro, pois jamais devemos perder a nossa identidade cultural!
No princípio, o Carnaval era só uma festa de rua, mas bastante caótica, onde só se cometiam grandes excessos, tendo a Igreja Católicano século XI, colocado um ponto final a tudo isso, que por influência da Commedia dell’Arte, na época do Renascimento, foram sendo criados os vários desfiles e bailes de máscaras a que assistimos hoje.Portanto, a festa de Carnaval surgiu aquando da instituição das celebrações da Semana Santa, antecedida por 40 longos dias de jejum: a Quaresma. 
E durante esses três dias de folia e brincadeira que antecediam esse mesmo período de penitência, todas as pessoas se juntavam, trocavam presentes entre si, comiam e bebiam a toda a hora, chegando até à própria eleição de um rei! 
A origem de Carnaval está pois relacionada com a junção das palavras latinas “carnis” (carne) e “valles” (prazeres).
Mas muito embora se fale em Carnaval, também se pronuncia a palavra Entrudo, porque ambas as expressões simbolizam o mesmo período. 
Acrescente-se ainda que Carnaval é a expressão mais utilizada no meio urbano, derivando da palavra italiana carnevale, que dá lugar à “despedida da carne” antes dos tais quarenta dias de jejum; mas também há quem relacione com a expressão carrusnavalis, dizendo antes respeito a uma festa romana em que um carro em forma de navio desfilava pela capital do Império e oferecia grandes quantidades de vinho aos seus habitantes. 
Quanto à expressão Entrudo, esta por sua vez será antes uma expressão mais utilizada no meio rural, nomeadamente a norte do país, como Trás-os-Montes, derivando do latim introitus, que significa a “entrada” na Quaresma, utilizada pela primeira vez no século XIII
Antigamente, a época do Entrudo começava no Dia de Reis, a 6 de janeiro. A partir daí, os domingos eram assinalados por festas, já por si carnavalescas, sendo conhecidos por Domingos Gordos, pois ainda há a expressão da “terça-feira gorda“, significando o dia em que as festas atingiam o seu ponto mais alto, ou seja, o seu “ponto mais gordo“.
Desta forma, a gastronomia portuguesa começou a dar destaque a duas grandes iguarias: a carne de porco e as filhós; em que o lema era “no Entrudo come-se de tudo“, tendo nascido as intituladas Feijoadas de Carnaval.
RECEITA NA CATEGORIA DE CARNE: Feijoada de Entrudo à Transmontana

Ingredientes:
  • 1 kg de feijão branco grande
  • 400 grs de carne de porco entremeada (barriga) salgada
  • 1 orelha
  • 500 grs de focinho
  • 1 pé de porco (tudo fumado)
  • 1 salpicão
  • 1 colher de sopa de colorau
  • 4 bagas de pimenta preta
  • 1 malagueta picante
  • sal
  • 1 cebola grande
  • azeite

Confeção:

  1. Numa panela, põem-se o feijão demolhado de véspera, água para o cobrir largamente e todas as carnes.
  2. Deixa-se cozer tudo, retirando as carnes à medida que forem cozendo.
  3. Limpa-se o caldo da espuma escura.
  4. À parte, pica-se e aloura-se a cebola com o azeite.
  5. Deita-se este refogado na panela onde está o feijão.
  6. Cortam-se as carnes e voltam a juntar-se ao feijão.
  7. Tempera-se com o colorau, a pimenta preta em grão e a malagueta picante cortada em bocadinhos.
  8. Deixa-se apurar sobre lume brando.
  9. Rectifica-se de sal.
  10. Acompanha-se com arroz de forno, servido à parte.
  11. O arroz de forno, como se viu já, como que faz parte integrante das feijoadas – pelo menos das feijoadas transmontanas.

Quanto às Filhoses de Carnaval, também intituladas de Orelhas de Abade, dizem que é o próprio escárnio dos muçulmanos contra os cristãos, em que o sagrado alimento da sua religião, o pão, passou a dar lugar a um pequeno pedaço de massa frita!

RECEITA NA CATEGORIA DE SOBREMESA: Filhós Estendidas

Ingredientes:
  • 1,5 kg de farinha
  • 1 dl de azeite
  • 1 colher de chá (bem cheia) de sal
  • 1/2 dl de aguardente branca
  • sumo de 3 laranjas grandes
  • 7 a 8 ovos
  • 100 grs de manteiga
  • azeite para fritar
  • açúcar e canela para polvilhar
Confeção:
  1. Peneira-se a farinha para um alguidar e escalda-se com o azeite a ferver.
  2. Depois com as mãos misturam-se o melhor possível estes dois ingredientes desfazendo os caroços que se formaram.
  3. Faz-se uma cova no meio da farinha e deitam-se aí 1 dl de água tépida onde se desfez o sal, a aguardente, o sumo das laranjas e 3 ovos.
  4. Começa então a amassar-se juntando os ovos à medida que a massa os vai obsorvendo.
  5. Quando se considerar que a massa está pronta, isto é, quando a massa estiver elástica e não se pegar ao alguidar, junta-se a manteiga e mistura-se bem.
  6. Tapa-se a massa com um pano e deixa-se repousar durante 2 horas, pelo o menos.
  7. Depois, com o rolo e o mínimo de farinha estendem-se as filhós e cortam-se em rectângulos ou circunferências com a ajuda de uma carretilha.
  8. No centro de cada filhó dão-se 4 golpes que não deverão atingir os bordos da massa.
  9. À medida que se vão estendendo e cortando, colocam-se as filhós sobre um pano ligeiramente empoado de farinha, ou melhor, para evitar que as filhós sequem, devem, na medida do possível, ir-se fritando em azeite bem quente.
  10. Há diversas maneiras de pegar nas filhós para as fritar no azeite.
  11. A mais corrente consiste em introduzir os dedos nas tiras formadas pelos golpes.
  12. Assim: passam-se os dedos da mão direita na 1.ª e 3.ª tiras deixando cair a 2.ª e a 4.ª que serão amparadas com a mão esquerda.
  13. Depois de fritas e louras, escorrem-se as filhós sobre papel absorvente.
  14. Polvilham-se com o açúcar e canela ou passam-se por uma calda de mel como se diz para as filhós da Beira Baixa.
Nota: No Alentejo, nomeadamente em Évora, é costume fazer estas filhós na Quinta-Feira das Comadres em quantidade suficiente para três dias do Carnaval. Ainda não há muitos anos, os amigos e os vizinhos mascaravam-se e visitavam-se uns aos outros para comerem as Filhós e outros fritos, acompanhados de Licores caseiros ou de Vinho Fino (Vinho do Porto). As Filhós são ainda utilizadas como Presente, que se troca entre Amigos e Vizinhos.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

História e Receita do Pudim Molotof

Parece que o nome original do pudim Molotof é Malakoff, estando relacionado com a guerra da Crimeia decorrida entre 1854 e 1855.
Malakoff era uma fortaleza que protegia a cidade de Sebastopol, tendo sido tomada pelo então general francês Aimable Jean Jacques Pélissier, recebendo precisamente o título de duque de Malakoff.
Por outro lado, Malakoff também seria uma sobremesa aquando da guerra na Europa, altura em que a doçaria portuguesa confecionara este mesmo pudim com o propósito de aproveitar somente as claras que sobravam de outras receitas.

Ainda assim existe a relação de Malakoff com o nome de um político soviético russo, Viatcheslav Mikhailovitch Molotov, que por sua vez criou o cocktail molotov, uma arma química incendiária vulgarmente utilizada em guerrilhas ou manifestações urbanas.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Viatcheslav_Molotov
E a associação do seu nome com esta bomba caseira, deve-se à sua declaração durante a Guerra de Inverno, em que os soviéticos não estariam a bombardear cidades finlandesas, mas sim “largando alimentos”.
As bombas russas foram então denominadas de “cestos de pães de Molotov” e as bombas improvisadas usadas pelos finlandeses contra os russos de cocktails Molotov.

E devido a semelhanças entre os nomes, o povo português passou a designar também esta mesma sobremesa por “pudim Molotov“.

RECEITA DA CATEGORIA DE SOBREMESA: Pudim Molotof

Ingredientes:

  • 10 claras de ovo
  • 10 colheres de sopa de açúcar
  • caramelo q. b.
  • 1 pacote de amêndoas laminadas
  • canela q. b.

Confeção:

  1. pré-aquecer o forno a 180º
  2. bater as claras em castelo e ir colocando o açúcar, aos poucos, enquanto for mexendo
  3. acrescentar o caramelo até o preparado anterior ficar com a tonalidade de “café com leite”
  4. cozer o Molotof durante 10 minutos e deixe repousá-lo durante 20 minutos apenas com a porta do forno um pouco aberta
  5. após retirar o Molotof do forno, desenformá-lo de imediato para ser decorado com um pouco de caramelo, amêndoas laminadas e canela ao seu gosto

Já agora, sugiro reverem o vídeo onde mostra a máquina de cozinha que foi utilizada para eu confecionar esta mesma receita:



Para saber mais:

Viatcheslav Mikhailovitch Molotov (russo: Вячесла́в Миха́йлович Мо́лотов, Vyatchesláv Mikháilovitch Mólataf), nascido Viatcheslav Mikhailovitch Scriábin (russo Вячесла́в Миха́йлович Скря́бин, Vyatchesláv Mikháilovitch Scriábin) foi um diplomata e político da União Soviética de destaque entre os anos 20 e 50 do século XX.
Nascido na pequena aldeia de Kukarka (atual Sovietsk, no Óblast de Kirov), filho de um pequeno comerciante, adotou o pseudônimo de Molotov (do russo molot, “martelo”).
Na qualidade de membro do Politburo, foi responsável pela campanha de requisições das colheitas na Ucrânia, causando a fome-genocídio de 19321933, o Holodomor. Sendo um dos principais colaboradores de Stalin, foi Ministro de Relações Exteriores da URSS no período 19391949 e 19531956
Seu nome tornou-se célebre pela popularidade do coquetel molotovarma química incendiária muito utilizada em guerrilhas e manifestações urbanas. A associação de seu nome com essa bomba caseira deve-se a sua declaração durante a Guerra de Inverno de que os soviéticos não estavam bombardeando cidades finlandesas, mas sim jogando alimentos. As bombas russas então foram apelidadas de “cestos de pães de Molotov” e as bombas improvisadas usadas pelos finlandeses de coquetéis Molotov. Sua mais relevante participação na história mundial foi a assinatura do Tratado Molotov-Ribbentrop, o pacto de não-agressão firmado entre a União Soviética e a Alemanha Nazista em 1939. O tratado perdurou até o dia 22 de junho de 1941, quando Adolf Hitler quebrou o pacto, ordenando a invasão do território soviético na chamada Operação Barbarossa.
A arma básica é simplesmente uma garrafa de vidro contendo petróleo (ou uma outra substância inflamável) com um trapo embebido em óleo ou algo similar à volta do gargalo. Este trapo é incendiado imediatamente antes da arma ser lançada sobre o alvo, quebrando a garrafa ao atingir o alvo o que permite que o seu conteúdo seja incendiado.
Também foi descoberto na altura que apenas petróleo não era uma arma anti-armadura muito eficiente e para tornar a mistura inflamável mais aderente, o petróleo teve de ser misturado com um agende viscoso como o diesel ou óleo ou em certos casos formas várias de látex.
Ainda hoje em dia, o cocktail Molotov é uma arma comum para terroristas e para manifestantes.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

UNBOXING KENWOOD PROSPERO KM282

Caros leitores, quer se tratem de amadores ou de verdadeiros profissionais, de certeza que todos concordarão comigo: qualquer que seja a máquina de cozinha escolhida, ela será sempre uma ajuda preciosa; e também já não é preciso gastar fortunas para adquirir aquela com uma qualidade razoável!
E, na maior parte das vezes, desde o nível mais caseiro ao nível de maior produção industrial, nunca serão apenas a tábua de salvação para quem não sabe cozinhar, mas também é cada vez mais percetível o tempo que nos ajudam a poupar.

Todavia, comprar certos eletrodomésticos recheados dos mais variados recursos e acessórios de fácil utilização e manutenção, o mesmo não significa que, automaticamente, as receitas se tornem “perfeitas”! 
É preciso ter algum cuidado e conhecimento ao nível do mercado, visitar lojas adequadas para o efeito, bem como ter em atenção alguns sites de frabicantes ou até de simples usuários.

Depois de adquirir o equipamento mais adequado ao seu caso, lembre-se sempre de ler primeiro atentamente os manuais de instruções e respetivos protocolos de segurança, a fim de saber usar da forma mais correta e consciente cada uma das funções oferecidas pelo próprio equipamento sem qualquer risco para si ou para os outros à sua volta.
Desta forma estará sempre pronto a obter mais sucesso com as suas receitas!
E, pela minha experiência, todos os equipamentos em geral estão cada vez mais versáteis, já que com a ajuda dos tais acessórios em maior número adequados a outros efeitos somados, multiplicam-se as suas funções, permitindo cumprir com maior distinção quase todas as tarefas culinárias a que se propõe e quase de uma só vez.

Por tudo isto, perante a minha necessidade de adquirir um equipamento novo capaz de deixar os meus bolos e sobremesas tanto mais apetecíveis como mais vistosos, depois de ter passado algum tempo a pesquisar pela Internet e a visitar algumas lojas a fim de me certificar acerca de algumas questões mais técnicas, dei por mim decidida a escolher um robot de cozinha ao mesmo tempo compacto e potente, com uma ótima relação qualidade/preço, digamos que adaptado para todo o tipo de cozinhas.
E sendo a sua taça em aço inox, todas as tarefas culinárias estão facilitadas!
Desde já, caracteriza-se como sendo um robot multifuncional, já que possui uma gama muito útil de acessórios, como o liquidificador em vidro ou os batedores para todas as necessidades, indo até aos 900W de potência!

Recentemente adquiri também, através de encomenda, o acessório Prospero Continuous Juicer AT265, estando igualmente satisfeita.
Para mais informações ou sugestões, até para possíveis receitas culinárias, consultem o seguinte site:

  
Para terminar, no que toca a algumas dicas e utilidades fundamentais para qualquer batedeira, temos que:

– bata sempre primeiro os ingredientes secos e só depois misture os ingredientes líquidos.
– para bater claras em neve com perfeição, use ovos na temperatura ambiente.
– para bater um chantilly impecável, tanto os ingredientes tal como os utensílios que irá utilizar deverão estar frios, evitando assim que o calor amacie a gordura da nata e esta por sua vez perca a consistência necessária.
– no caso de precisar juntar manteiga ao seu preparado, aconselho a deixá-la antes à temperatura ambiente por alguns minutos, a fim de conseguir obter uma textura mais homogénea.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

HISTÓRIA E RECEITA EM VÍDEO DO STROGONOFF

Estrogonofe (do russo строганов, stroganov) é um prato originário da culinária russa composto por cubos de carne bovina servidos num molho de creme de leite

O seu início ficou marcado no século XVI, aquando do tipo da alimentação fornecida aos soldados russos, na forma de rações de carne cortadas em barris com sal grosso e aguardente. Através de um cozinheiro do Czar russo Pedro, o Grande, a comida foi melhorada e o general que protegia o cozinheiro chamava-se Strogonov, donde muito possivelmente surgiu o nome para a receita em causa.
Mais tarde, com a Revolução de 1917 e a imigração dos russos para a Europa, a receita chegou até à França, donde foi novamente melhorada, chegando à forma que conhecemos atualmente
E na França incluíram os Champignons, enquanto que a utilização de ketchup na receita foi depois popularizada pelos Estados Unidos. 
O sucesso do Strogonoff foi tão grande, que juntamente com a lasanha, por exemplo, é hoje um dos dez pratos mais vendidos no mundo!
Mas, na realidade, existem muitas histórias para explicar o seu aparecimento, bem como o surgimento do seu nome.
 
Para saber mais:
 
As versões norte-americanas e australiana da receita geralmente são preparadas com tiras de bife, mas também podem ser incluídos bacon, cogumelos, cebolas. O molho pode ser engrossado com nata azeda e servido com arroz (EUA e Austrália) ou macarrão (mais comum nos EUA). Era o prato preferido do presidente norte-americano Abraham Lincoln, e do famoso ator Charles Chaplin.
 
O estrogonofe é bastante popular no Brasil, onde tem muitas variações como o uso de carne de frango ou camarões. A principal característica do estrogonofe brasileiro é o uso de molho de tomate misturado com o creme de leite. Além disso, é quase sempre servido com uma porção de arroz (branco ou à grega) e batata palha, enquanto que na Rússia era geralmente servido com batatas cozidas.
 
Estrogonofe também é popular na Suécia e Noruega. Na Suécia, uma variante comum, é o estrogonofe de linguiça, que usa a tradicional linguiça sueca chamada falukorv como substituta para a carne.
 
Para finalizar, aqui está a minha sugestão para o vosso fim de semana em família e… bom apetite 🙂 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

AGENDA DOMÉSTICA COZINHA COM ROSTO 2017: VAMOS ÀS CONTAS DO MÊS?

Talvez por falta de um investimento sério, no que toca a políticas de educação financeira nas nossas escolas, ou porque o rendimento disponível nas famílias portuguesas já não ser o que era, o mesmo só fica perfeitamente definido após terem sido recebidos os respetivos rendimentos a que têm direito e de terem sido pagas as devidas quotizações obrigatórias para a Segurança Social ou os impostos diretos ao Estado. 
Mediante toda esta melancolia tramada, o rendimento disponível pode ou não ser canalizado da forma mais ponderada para consumo e poupança, podendo ou não contribuir para a real satisfação das suas necessidades!

Na verdade, há diversas motivações que nos levam a tomar certas decisões: aquando da nossa intenção de fazer uma viagem de férias, bem como no que toca a desenvolver algum projeto a nível profissional ou até ao nível de algum negócio em bolsa, por exemplo.
Contudo, qualquer um de nós pode vir a confrontar-se, de um momento para outro, com aquele tipo de despesas “extra” a ver com saúde, ou a ver com alguma situação inesperada, como o desemprego instaurado na família, deixando quase tudo para trás, só para se conseguir fazer face a novas preocupações e desesperos!

E quanto a melhores ou piores condições num futuro próximo, em termos de reforma, apoio na doença, escola dos filhos ou garantia de emprego, todos estes propósitos influenciarão cada vez mais a concordância de cada família gastar ou poupar o seu rendimento no presente.
Também a publicidade e os incentivos ao consumo têm um efeito maléfico, ao aliciar todos os demais a um consumo demasiadamente “rápido”, muito embora a insegurança no dia de amanhã consiga criar tão grande desconforto aliado a sentimentos severamente nefastos de natureza social, cultural ou psicológica!

Por outras palavras, o verbo “ser” é diferente do verbo “ter”, por isso faça deste tipo de publicações no meu blog a sua plataforma para a verdadeira ação e o seu guia concreto para presentear cada final de mês que se preze com um smile.
Urge, portanto, criar novos hábitos, uma maior sensatez perante situações “novas” de desconforto e, por conseguinte, um tipo maior de humor mais harmónico daqui para a frente!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O CHOCOLATE EM LISBOA 2017

Foi com imensa alegria e expectativa que, no passado sábado, dia 11 de fevereiro, pelas 10h30, tomei lugar na fila para entrar num dos melhores eventos realizado em Portugal, dedicado ao chocolate, na Praça do Campo Pequeno, em Lisboa: O Chocolate em Lisboa 2017.
Grandes eram as atrações a decorrerem ao mesmo tempo e muitas foram as novidades presenteadas pelos cerca de 80 expositores envolvidos, em torno de todo um conjunto místico entre as mais prestigiadas marcas e/ou os projetos artesanais da maior qualidade, passando ainda pelo sabor icónico do chocolate com licores, especiarias, chás ou morangos, por exemplo. Destaco: as tabletes, os bombons com recheio, os cupcakes, os crepes, as línguas de gato, o chocolate quente, os gelados, as tartes, os brigadeiros e os macarons.
Por aqui e por ali, lá era possível ir provando e conhecendo as mais destacadas iguarias de algumas marcas e produtores de diferentes países, tais como: Perú, Venezuela, França, Bélgica, Áustria, Itália, Espanha, Vietname, Madagáscar, Brasil ou Suíça.
O evento contou ainda, entre os dias 9 e 12 de fevereiro, com vários Workshops adequados a todos os tipos de gostos e idades, desde os temas mais saudáveis aos mais sedutores, sendo necessária uma inscrição prévia, entre os quais: “O Chocolate dá Saúde“, “Chocolate para Pais e Filhos” ou “Neste dia de São Valentim, ofereça um presente… que se despe!”.
No que tocou a Chococooking, antecipou-se, assim, o tão prometido e imaculado Dia dos Namorados, 14 de fevereiro, com a presença de reconhecidos Mestres Chocolateiros, bem como de Chefs Executivosde Cozinha, num total de 28 sessões, como por exemplo: Ana Sousa e Silva, Joaquim Sousa ou Ann-Kristin Wenzel. Desta forma, foram então apresentados os mais variados pratos, donde o chocolate nunca deixara de ser o seu verdadeiro ingrediente principal!
E tal como acontecera na edição anterior, voltou a ser organizado o concurso “Criações com chocolate AlemTejo“, com o objetivo de promover o que de melhor se faz em Portugal com chocolate, com o apoio da marca Melgão Chocolates criada pelo Chefe Português António Melgão.
Por outro lado, também eram várias as animações que, entretanto, agitavam o público que ía passando pelo recinto, quer se tratassem de adultos ou crianças. Evidencie-se o facto de, para além da própria música convidativa, só para começar, existir, desde logo, à entrada, um grande painel temático recortado, permitindo aí tirar uma fotografia com o rosto para mais tarde recordar!
Por fim, ainda existia um espaço dedicado à tão delicada e sofisticada demonstração de têmpera de chocolate.
Para saberem mais, por favor cliquem em:

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

A PAIXÃO ANDA NO AR

Como o dia 14 de Fevereiro se aproxima a passos largos, entre recomendações sobre o que deve usar ou é permitido oferecer à sua cara-metade, para além do modo como devem ou não passar juntos esse dia fantástico, decidi partilhar convosco uma receita que de certo irá tornar o vosso momento mais especial!

Afinal, já dizia o ditado, “um homem (ou mulher também) conquista-se pelo estômago“. 

De acordo com os 7 gestos românticos do século passado, publicados pelo jornal diário online Observador no dia 11 de fevereiro de 2016: 

“A anos-luz da era Tinder, os namorados trocavam bilhetinhos, falavam horas ao telefone (fixo) e dedicavam músicas na rádio.”

Mas segundo o artigo Como é namorar nos dias de hoje? publicado pela revista mensal Activa no dia 5 de outubro de 2014:

Impossível, dirão os mais céticos. Felizmente há românticos, para lembrar que o amor é cego e acontece até em lugares estranhos… a crise, desemprego, emigração e o regresso a casa dos pais são os novos cenários das relações.
 
Portanto, na hora de conquistar o sexo oposto, a escolha do que fazer por certo num primeiro encontro, pode tornar-se num verdadeiro caos…
Em alternativa, pode sempre surpreender alguém que ama com um simples jantar romântico e sem sair do conforto da sua ou da vossa bela casa, sendo só necessário preparar uma deliciosa receita a dois e procurar decorar a mesa para a ocasião, ressaltando apenas alguns alimentos mais importantes, como o chocolate…
RECEITA NA CATEGORIA DE SOBREMESA:
Folhados Paixão de Maçã, Chocolate e Amêndoa acompanhados de Gelado de Aroma de Baunilha
receita do amor

Ingredientes:

  • 2 massas filo
  • 2 maçãs descascadas e cortadas aos pedaços
  • açúcar mascavado q. b.
  • 1 chocolate de culinária cortado aos pedaços
  • mel q. b.
  • manteiga líquida q. b.
  • amêndoa laminada q. b.
  • 2 dl de vinho do Porto
  • sumo de limão q. b.
  • gelado de aroma de baunilha de compra
Confeção:
  1. Preparar as maçãs, juntando-lhes o Vinho do Porto, a amêndoa laminada, um pouco de sumo de limão e de açúcar mascavado e misturar tudo muito bem;
  2. Com a ajuda de um pincel, barrar as 2 massas filo com manteiga, para depois espalhar também um pouco de açúcar mascavado;
  3. Dividir o preparado anterior em 2 porções iguais, de forma a colocar cada uma delas ao centro de cada uma das massas filo;
  4. Espalhar por cima 6 pedaços do chocolate de culinária, para logo de seguida enrolar as massas filo com muito cuidado;
  5. Colocar os dois folhados no tabuleiro de ir ao forno, onde anteriormente se pincelou de manteiga líquida e se espalhou um pouco de açúcar mascavado;
  6. Finalizar com um pouco de mel por cima, bem como mais alguns pedaços do mesmo chocolate;
  7. Inserir o tabuleiro no forno a 140ºC cerca de 40 minutos;
  8. Servir quente e acompanhado de uma bola de gelado de baunilha, bem como de um pouco de mel por cima.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

UNBOXING COOLPIX L840

Encontrar aquela máquina fotográfica ideal adaptada às nossas reais necessidades e desejos mais prementes, nem sempre é fácil. Existem também muitos outros factores a ter em conta, tal como o nosso próprio orçamento disponível!

Em primeiro lugar, devemos definir qual irá ser a sua principal utilização: brincadeiras com os amigos e familiares em viagens de férias, tempos livres, celebração de datas especiais ou prática de desporto; realização de algum trabalho mais profissional e sofisticado em ambiente de estúdio ou noturno.

Em segundo lugar, devemos considerar em que ponto se encontram os nossos verdadeiros conhecimentos ao nível técnico no que toca ao “mundo da fotografia”: velocidade do obturador, tipo de zoom, capacidade de memória, estabilizador de imagem, tipo de écran, controlo de cor, tipo de lente, ISO, sensores incluídos, controlo remoto, opção de flash e de vídeo, compatibilidade com acessórios de iluminação e de lentes, possibilidade de utilização de cartão de memória, formato de imagem disponível, etc. 

Em terceiro lugar, existe uma enorme variedade de acessórios que nos podem ajudar ao longo de todo o processo em busca da “fotografia perfeita”: desde as objectivas aos tripés, estojos, baterias, cabos de ligação ao computador, cartões de memória, filtros, etc.

Portanto, em questão de mercado existem vários géneros: câmaras compactas, câmaras de super zoom, câmeras mirrorles, câmaras DSLR, câmaras de ação, câmaras 3D, câmaras multifoco, câmaras integradas em Smartphones.
E, de facto, a beleza estética de uma fotografia já não é feita pela máquina em si, mas sim pelo próprio que a manipula.
Depois ainda existem diversos programas de edição de fotografia, como o tão conhecido Adobe Photoshop
Também não nos devemos esquecer de que, no que toca à evolução da tecnologia nos nossos dias, tudo cada vez mais depressa se tornará obsoleto!

Em Portugal, na minha opinião, as marcas mais procuradas são a Canon e a Nikon, mas também existe a Sony, a Panasonic ou a Fujifilm.
Por outro lado, a opinião dos utilizadores do mesmo produto normalmente tem sempre uma grande influência, logo sugiro estarem porventura atentos a possíveis sites ou blogues desses mesmos utilizadores, onde muitas vezes até publicam vídeos sobre essa mesma máquina em questão, tudo de modo a aperceberem-se das caraterísticas do próprio material envolvido em algumas experiências pessoais, por exemplo.

E é desta forma que vos apresento uma das minhas melhores amigas atuais: a câmara digital Nikon Coolpix L840 de 16 megapixels!
Com ela consigo fazer um ótimo zoom de aproximação sobre alguns dos momentos mais especiais, permitindo-me tirar extraordinários primeiros planos, tanto em refeições de família, bem como em diferentes cenas da natureza, devido ao seu zoom ótico de 38x, por sua vez extensível até 76x
Por outro lado, o seu seletor de cenas automático torna tudo muito mais simples no momento chave que é o de tirar uma fotografia a algum objeto mais distante ou a pequenos pássaros, por exemplo, ao mesmo tempo que a redução da vibração de elevado desempenho mantém a estabilidade na câmara e a clareza nas fotografias.


E talvez o que mais me tenha feito decidir por adquirir este modelo, foi o facto de assumir um vasto potencial no que toca a explorar ângulos de disparo criativos, devido ao seu grande ecrã LCD inclinável, ao mesmo tempo que filma em Full HD.
Ainda permite partilhar de uma forma quase instantânea as minhas imagens favoritas com o Wi-Fi incorporado e o suporte NFC, bastando interligar a câmara ao meu telemóvel!

Para finalizar, convido-vos a assistirem ao vídeo abaixo realizado por mim com o editor de vídeo do YouTube: