segunda-feira, 31 de julho de 2017

UNBOXING Top Selling X6

Seja para brincar com o seu filho, experimentar a captar imagens durante as férias, ou até para uso profissional, os drones trouxeram mesmo uma nova forma de olhar o mundo à nossa volta!

Por outro lado, os drones já foram utilizados por bombeiros, exércitos, empresas publicitárias, indústrias cinematográficas, etc, sendo possível encontrarem-se hoje bons equipamentos a um preço razoável, com a capacidade de garantirem um voo estável, para além de câmaras com uma boa captação de imagem, tal como o que eu sugiro no vídeo acima, acabadinho de ser publicado no meu canal YouTube Cozinha Com Rosto: UNBOXING Top Selling X6!

Estas aeronaves são muito leves, podendo ser equipadas com: módulos de GPS, sistemas de Bluetooth, monitores para acompanhar as filmagens em tempo real, protetores para as hélices, um gimbal para manter a câmara estável, torres ou donuts insufláveis para jogos.
Quanto melhores forem as suas próprias características, como mais alcance de voo ou maior autonomia, maior será o equipamento, logo também maior será o custo e mais complexa a sua utilização.
A oferta é muito variada, devendo escolher-se sempre de acordo com a utilidade que se vai dar ao mesmo e com o orçamento em causa. 
Mas atenção que, no início deste ano, Portugal ficou a conhecer um certo regulamento para a utilização de drones!
E mais recentemente, foi tornado público o projeto do decreto-lei que a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) está a desenvolver para regulamentar a atividade dos drones, embora esteja ainda em fase de consulta pública, não tendo sido ainda aprovado. 
Portanto, enquanto se aguarda por novidades, os voos continuam a reger-se pelo regulamento lançado em janeiro pela ANAC, ou seja: o registo e seguro obrigatório para drones NÃO é, por agora, uma obrigação legal!
Deve ainda fazer-se acompanhar das licenças necessárias para cada plano de voo: ANAC – Licença para operação de RPAS/Drone no espaço aéreo civil português;  AAN – Licença de execução de levantamentos aéreos em território nacional.
Para mais informações, por favor clique em:
Para qualquer situação, é necessário seguir as seguintes regras:
  • Não voar acima dos limites de altitude estipulados (120 metros para zonas não reguladas pela ANAC ou valores mais baixos para áreas de voo limitado)
  • Não voar à noite
  • Não sobrevoar concentrações de pessoas (mais de 12)
  • Não voar com drones com peso superior a 25 kg
  • Não sobrevoar áreas restritas, proibidas, perigosas, reservadas ou temporariamente reservadas
  • Não sobrevoar zona de sinistros onde se encontrem a decorrer operações de proteção e socorro
  • Não realizar voos fora da linha de vista (não pode ficar atrás de edifícios, vegetação ou estruturas) ou a mais de 500 metros de distância.
Para finalizar, é igualmente necessário ter algum cuidado com áreas da responsabilidade de outras entidades, como é o exemplo da parte costeira, das reservas naturais, monumentos, entre outros. 
Neste caso, é essencial contactar as entidades gestoras de cada espaço e inquirir se permitem a captação de imagens, podendo ser cobrada uma certa taxa pela emissão da declaração. 

sexta-feira, 28 de julho de 2017

NA COZINHA DAS AVÓS: O MEL, AS SUAS PROPRIEDADES E EXEMPLOS DE UTILIZAÇÃO

AS ABELHAS E O MEL

Abelhas são insetos voadores, conhecidos pelo seu papel na polinização. Pertencem à ordem Hymenoptera, da superfamília Apoidea, subgrupo Anthophila, e são aparentados das vespas e formigas.

O representante mais conhecido é a Apis mellifera, oriunda do Velho Mundo, criada em larga escala para a produção de melceraprópolisgeleia real e veneno (Apitoxina). As espécies de abelhas nativas das Américas (Novo Mundo) não possuem ferrão. A maioria destas pertence à tribo Meliponini.

Mel é um alimento saudável que deve ser incluído na nossa alimentação, sendo um ótimo produto alternativo ao açúcar refinado, para além de conter flavonóides e ácidos fenóticos e de ser bem mais nutritivo, pois é rico em vitaminas do complexo B (B1, B2 e B6), vitamina C, ferro, cálcio, fósforo, sódio e potássio. 

Benefícios do mel para a nossa saúde: excelente elemento antissético, antibacteriano e antimicrobiano; ajuda a melhorar o aspeto da pele e na formação e manutenção de dentes saudáveis; aliado no ganho de massa muscular, melhorando o desempenho físico; ajuda no combate à tosse e irritação da garganta e na prevenção de alguns tipos de cancro e doenças cardiovasculares; recomendado nos casos de anemia, virtudes laxativas, melhorando significativamente o trânsito intestinal.

Todavia, o mesmo não deve deve consumido por crianças até aos 3 anos, tal como por pessoas às quais se diagnosticou diabetes sem uma orientação médica eficaz.

Já agora, quando ingerido, é imediatamente assimilado pelo nosso organismo, em que a glicose e a frutose passam directamente para os vasos sanguíneos, devendo ser mantido num frasco de vidro bem fechado, num local seco e fresco.

Reza a lenda que, em tempos antigos: quando um homem se apaixonava por uma mulher, raptava a eleita numa noite de lua cheia. Durante um mês, bebiam uma mistura afrodisíaca, adocicada com muito mel. Resultado: paixão eterna.

O mel é, portanto, um produto/medicamento natural e utilizado desde há muito tempo, sendo ao mesmo tempo elaborado a partir do néctar de inúmeras flores, logo combina diversas propriedades provenientes de diferentes espécies vegetais. De qualquer forma, tendo em conta igualmente a sua proveniência regional, o mesmo pode variar de tonalidade, densidade e sabor. 

EXEMPLOS DE RECEITAS DE UTILIZAÇÃO DO MEL:

Produto contra a casta: juntar 9 partes de mel para uma de água e formar uma espécie de gel que pode aplicar diretamente no couro cabeludo. 

Protetor de lábios: misturar um pouco de mel com óleo de amêndoas doces e por fim um pouco de cera de abelhas. 

Analgésico para cortes e queimaduras: por conter uma quantidade significativa de peróxido de hidrogénio, semelhante ao da água oxigenada, serve para limpar cortes e queimaduras, bastando aplicar mel e esperar que este seja absorvido pela pele. 

Conservante natural: como conservante para vários alimentos, nomeadamente fruta, basta que coloque os alimentos num recipiente hermético e que regue com uma mistura de mel e água até cobrir tudo. 

Amaciador do cabelo: os seus nutrientes fortalecem a raiz do cabelo, devendo aplicar mel puro por todo o cabelo, deixando atuar cerca de 20 minutos, para depois retirar com água morna.

Máscara facial: por ter propriedade antibióticas, faz do mel uma maravilhosa máscara para a pele, podendo usar-se frequentemente.

Esfoliante de rosto e corpo: todo o mel 100% puro cristaliza, logo pode ser usado para esfoliar o rosto e o corpo, sendo capaz de eliminar as impurezas e todas as células mortas; sugiro misturá-lo com um pouco de óleo de coco, sendo só necessário esfregar pelo corpo e depois retirar com água morna.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

AGENDA DOMÉSTICA COZINHA COM ROSTO 2017: LISTA DE COMPRAS E CONTAS DO MÊS DE JULHO - DIA MUNDIAL DOS AVÓS

Hoje celebra-se, em Portugal e no Brasil, o Dia Mundial dos Avós, por ser igualmente o dia de Santa Ana e São Joaquim, sendo estes os pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

Santa Ana, cujo nome Ana significa “graça”, fazia parte da família do sacerdote Aarão e São Joaquim da família real de Davi:

“Apesar da esterilidade de Ana e da idade avançada de ambos, foram abençoados por Deus comnascimento de Maria. Segundo o Proto-Evangelho de Tiago, São Joaquim terá ido ao deserto em penitência e em oração pedir a Deus por uma criança quando um anjo lhe surgiu e anunciou as boas novas. Pouco tempo depois de regressar a Jerusalém, Santa Ana ficou grávida. A Virgem Maria, cujo nome significa “senhora da luz” acabaria por nascer a 8 de setembro de 20 a.C.
O culto a Santa Ana é muito antigo, tendo-se popularizado sobretudo na Idade Média. Em 1378 o Papa Urbano IV oficializou o seu culto e em 1584 estabeleceu-se o dia 26 de julho para a sua celebração. São Joaquim era celebrado noutra data, mas o Papa Paulo VI uniu a celebração de Santa Ana e de São Joaquim no dia 26 de julho.”

Atualmente, cada vez menos os pais conseguem ter tempo necessariamente suficiente para se dedicarem aos seus filhos. 
Por isso, uma creche ou um jardim de infância, na maior parte das vezes, torna-se na solução mais eficaz, promovendo ao mesmo tempo a socialização e o seu desenvolvimento a vários níveis. 

Mas, em certas famílias, ainda é possível contar com o apoio integral dos avós, estando sempre prontos a ajudar nas horas mais difíceis, por exemplo quando eles ficam doentes, chegando até a levá-los e a buscá-los à escola, para além de brincar ou passear com eles durante as férias!
De qualquer forma, na minha opinião, nunca devem tentar competir com os pais ou a escola, pois cada um deve conter-se no seu papel, a fim de não prejudicar a própria formação da criança em causa!


Já agora, deixo-vos aqui algumas sugestões que eu retirei da Internet, a decorrer hoje e/ou durante os próximos dias, desde o norte ao sul de Portugal:

 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

TERTÚLIA NA ASSOCIAÇÃO DE COZINHEIROS PROFISSIONAIS DE PORTUGAL: “PEIXES DA COSTA PORTUGUESA”

No passado dia 29 de junho, tive o prazer de assistir à Tertúlia Temática sobre “Peixes da Costa Portuguesa“, tendo sido realizada na Associação de Cozinheiros Profissionais de Portugal, que fica situada na zona da Lapa, em Lisboa.


Os oradoresforam Drª Rosalia Vargas (Dir. Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva) e Virgílio Nogueiro Gomes (Gastrónomo e investigador em História da Alimentação).

Em primeiro lugar, o Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva está situado no Parque das Nações, no antigo recinto da Expo 98, em Lisboa, estando aberto ao público em geral de segunda a sexta-feira entre as 10h as 18h, enquanto que aos sábados e domingos é só entre as 11h e as 19h.

E apesar de já ter celebrado os seus vinte anos de existência, o Pavilhão do Conhecimento, donde Drª Rosalia Vargas é a atual Presidente do Ciência Viva é, sem dúvida, tal como está patente no correspondente site, “um dos locais preferidos dos turistas de todo o mundo”, sendo a Rede de Centrosconstituída atualmente por 20 Centros Ciência Viva espalhados por esse país fora!

Por exemplo, estará lá patente, até setembro de 2017, uma exposiçãointitulada de “Bom apetite! A ciência está na mesa”, composta por mais de 30 módulos interativos que nos revelarão que comer bem não é apenas uma questão de calorias ou quantidades.

Por outro lado, este mesmo projeto nasceu com o objetivo principal de levar a prática da experimentação científica até às escolas, sendo hoje uma referência internacional bastante determinante e coerente, continuando a realizar toda uma série de exposições e atividades no âmbito formativo e educacional!
A ciência pode ajudar mesmo a responder a diversas questões colocadas por cada um de nós, numa altura em que o critério “saúde” tem tendência a sobrepor-se ao do gosto e do prazer, sendo, por sua vez, um assunto indicado a toda a família!

Por isso, a adesão das escolas ao Ciência Viva tem sido sempre tão positiva e crescente ao longo dos anos, influenciando, desde logo, milhares de crianças a prosseguirem áreas das ciências e tecnologias, ao mesmo tempo que promove um maior sentido crítico e uma cidadania cada vez mais ativa na camada mais jovem da sociedade portuguesa.

Já agora, na iniciativa “A cozinha é um laboratório”, em vez de existirem os habituais tachos e panelas, bem como as colheres de pau, existem os tubos de ensaio ou os agitadores magnéticos, onde a criatividade é o ponto de partida essencial para a ciência que faz crescer água na boca.

Como é tão importante criar nas nossas crianças uma «nova» relação com os alimentos, não concordam?
E à alteração cada vez mais marcante ao nível das condições climáticas por todo o globo terrestre, tem-se somado a extinção cada vez mais vincada de alguns animais ou vegetais, logo todo o tema em torno da alimentação, por sua vez intimamente ligado ao tema da nossa saúde, e quem sabe até em torno da nossa própria sobrevivência humana num futuro mais ou menos próximo, torna-se demasiadamente precioso!

Importa, portanto, focar o seguinte: o alimento evolui com o tempo, tal como a nossa própria espécie humana!
O ciclo da vida de certos peixes, por exemplo, está a ser amplamente alterado, no que diz respeito aos tempos próprios das ovulações ou das migrações verificadas ao longo dos anos, devido à alteração da própria temperatura das águas dos oceanos ou das correntes marítimas, entre outros aspetos.

Quantos de nós é que já entraram num restaurante, a fim de degustar umas singelas “sardinhas assadas”, e nos arrependemos vivamente logo aquando da primeira garfada?

Sublinhe-se, agora, o seguinte: é muito importante pensar na sustentabilidade dos oceanos!
A via religiosa também poderá explicar certos costumes gastronómicos ao longo dos tempos, como no caso do bacalhau, estando nós, os portugueses, localizados na parte mais ocidental da Europa, sendo que Portugal é um país com mais de 800 anos de história, logo um dos mais antigos do mundo e composto por uma área continental e 2 arquipélagos: Açores e Madeira.
A Gastronomia Portuguesa tem referências mediterrânicas e atlânticas, tendo uma particular relevância em todas as suas tradições regionaisbacalhau à brás, caldeirada de peixe, pastéis de bacalhau, ameijoas à Bolhão Pato, sardinhas assadas, polvo à lagareiro, etc. 

Por tudo isto, foi possível criar um catálogo, em estreita colaboração com diversas instituições científicas portuguesas, a partir do qual é possível obter-se uma listagem sã acerca dos peixes mais utilizados na gastronomia portuguesa, usando imagens de grande qualidade, mas também os que não estão em risco de extinção, logo igualmente mais sustentáveis e benéficos para a nossa saúde, para efeitos de consulta ao nível da restauração ou de pessoas comuns.

No meu entender, este mesmo livro intitulado de “As espécies mais populares do mar de Portugal: num restaurante perto de si”, é uma mais valia para todos nós, a partir do qual poderemos ficar a saber mais sobre porque é que o peixe é afinal um dos elementos mais representativos da nossa costa continental, com cerca de 1230 km de comprimento!

E se existem espécies mais conhecidas, outras serão menos conhecidas, ou consideradas, no momento, de mais gourmet, podendo distinguir-se, no livro, as seguintes categoriaspeixes, cefalópedes, bivalves e crustáceos.

Já na parte final do mesmo, pode ler-se ainda algo sobre uma breve descrição das artes de pesca representadas ao longo das páginas anteriores, contendo até traduções em várias línguas.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

10 SUGESTÕES DE PRESENTES PORQUE... O DIA DO AMIGO PODE SER QUALQUER UM!

“O desejo de ser amigo é um 
processo rápido, mas a amizade 
é uma fruta que amadurece lentamente.”
O Dia do Amigo celebrou-se ontem, ou seja, a 20 de julho. E quanto à origem desta mesma data, a mesma remontará ao ano de 1969, que correspondendo à chegada do homem à Lua, o que demonstra a união dos homens para alcançar objetivos. 

E de acordo com as minhas propostas de Merchandising Cozinha Com Rosto, já que um amigo, na minha opinião, não era para ter sido só presenteado durante o dia de ontem, venho desta forma apresentar-vos 10 formas de o fazerem, para quando bem vos apetecer:

10 SUGESTÕES DE PRESENTES PARA O VOSSO MELHOR AMIGO OU AMIGA
  1. No caso do vosso amigo ser muito esquecido no que toca a, por exemplo, datas de aniversário, sugiro oferecerem-lhe um calendário, ainda que relativo a este ano, podendo ser um entre três formatos diferentes: de bolso, de mesa, ou de parede.

  2. Mas no caso do vosso amigo ser muito esquecido no que toca a chaves de casa ou do carro, sugiro então oferecerem-lhe um porta-chaves.

  3. No caso dele gostar de escrever e sublinhar tudo e mais alguma coisa, aconselho darem-lhe um conjunto de lapiseira e caneta, para ele utilizar de acordo com o que mais lhe interessar no momento.

  4. Se por acaso costumam convidá-lo para beber algo, sou da opinião de que devem dar-lhe algumas bases para copos.

  5. Entretanto, se o vosso amigo costuma tomar sempre o pequeno-almoço em casa, podem oferecer-lhe uma caneca de loiça para beber o seu café

  6. Porém, se por acaso o vosso amigo adora beber chá, por que não oferecerem-lhe antes uma caixa de madeira, para aí colocar todos os seus chás preferidos?

  7. Já agora, será que ele costuma praticar desporto? Se sim, por que não oferecerem-lhe uma garrafa de água para levar sempre consigo para o ginásio?

  8. Lembrando-me do facto do vosso amigo ou amiga ser uma criança, eu acho que será mais apropriado oferecerem-lhe um puzzle para brincar nas férias!

  9. E se o vosso amigo é do sexo feminino, sugiro é antes oferecerem-lhe um saco de pano para ir às compras, que maravilha!

  10. Para finalizar, seja do sexo feminino ou masculino, se o vosso melhor amigo gosta de cozinhar, então está no local certo, que o presente perfeito, seja para ele ou para ela, será, de certeza, um avental de algodão!
Tudo isto porque… nós somos o que comemos!
 
“É bonito ser amigo, mas confesso: é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias.”

Fernando Pessoa

segunda-feira, 17 de julho de 2017

2.ª EDIÇÃO DA FEIRA DOS VINHOS DA REGIÃO DE LISBOA

Iniciou-se no passado dia 11 de julho, na Rua Augusta, a Segunda Edição da Feira dos Vinhos da Região de Lisboa, uma mostra que decorreu naquele local até ao dia 16 de julho, sempre entre as 11h00 e as 20h00, muitos deles igualmente disponíveis para compra. 

A abertura contara com diversos autarcas, produtores e membros da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa (CVR Lisboa):
Vasco d’Avilez, presidente da CVR Lisboa, revelou que este ano serão certificados cerca de 500 milhões de litros de vinho na região, o que representa um crescimento de 15 por cento em relação ao ano passado. Lisboa tem vindo a aumentar a certificação dos seus vinhos, sublinha, explicando que em 2011 foram certificados 16 milhões de litros.
Por exemplo, o Município de Oeiras, por sua vez integrado na Rota dos Vinhos de Bucelas, Carcavelos e Colares (RVBCC), dera a provar o seu tão generoso vinho produzido pela Câmara Municipal: Vinho de Carcavelos “Villa Oeiras”.

E o Município de Porto de Mós também esteve presente:

(…) em parceria com a Associação de Artesãos das Serras de Aire e Candeeiros, através da mostra de vários produtos locais como o azeite, o mel, os licores, os Bolos do Juncal, os Pastéis de Mós, os queijos de São Bento, a olaria e a faiança pintada manualmente, entre outras peças de artesanato, tudo isto acompanhado de animação e de demonstrações de olaria ao vivo. De referir que o Município de Porto de Mós é a única entidade presente na feira com atividades de interação com o público.

Portanto, temos que os vinhos se fizeram acompanhar da doçaria, entre outros produtos regionais, que certamente deliciaram muitos lisboetas, mas também turistas!
Alcobaça, município com grande tradição vitivinícola, está representada pelos vinhos da Adega de Alcobaça e da Quinta dos Capuchos. Associados aos vinhos da nossa região os turistas podem degustar queijos, Ginja e Doces Conventuais. Há ainda animação com “Padeiras de Aljubarrota” e com o cantor Francisco Peças.
A Rua Augusta fora então transformada numa feira dos produtos da região de Lisboa, tendo já o Vereador José Sá Fernandes, aquando da Primeira Edição relativa ao ano de 2016, realçado a importância para este tipo de iniciativas:
dá ainda mais visibilidade ao que de melhor se faz na região de Lisboa, dos vinhos, à gastronomia, destacando as potencialidades de cada uma das regiões”.
Sem dúvida, uma oportunidade única para explorar, através dos vinhos, toda uma vasta região de Lisboa que produz anualmente cerca de um milhão de hectolitros de vinho, podendo destacar os seguintes Municípios envolvidos:
Municípios da Região Oeste (Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Óbidos, Peniche, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras);
Municípios integrados na CVR da Região de Lisboa (Batalha, Cascais, Leiria, Lisboa, Loures, Mafra, Oeiras, Porto de Mós e Sintra).

sexta-feira, 14 de julho de 2017

UNBOXING MOULINEX VARINHA SLIM FORCE DD855810 - 4 RECEITAS DE CREMES E SOPAS

Para quem está a pensar em adquirir algum utensílio de cozinha capaz de preparar desde sopas, batidos, maionese a puré de batata, tenho o prazer de vos apresentar, ou até de vos fazer recordar, para quem, por acaso, já o conhece, o vídeo unboxing abaixo, criado há cerca de dois anos, através do Editor de Vídeo do YouTube, na altura ligado ao meu canal MRKitchen, na intenção de vos salientar que, com o mínimo esforço, se conseguirão sempre resultados perfeitos, graças às Varinhas Slimforce Moulinex DD855810 de 700 W
Com a Tecnologia ActivFlow, por exemplo, devido às suas quatro lâminas grandes, conseguimos obter um grande desempenho até com os alimentos mais duros e fibrosos!

E, até momento, posso adiantar-vos que, na minha opinião, foi uma ótima escolha, continuando bastante satisfeita com a sua utilização, também no que toca à relação qualidade/preço, tal como poderão verificar, tendo como acessórios: um copo graduado, um batedor de arames, uma picadora e dois discos metálicos para puré.

Mais abaixo, sugiro-vos ainda, como não podia deixar de o fazer, 4 tipos de receitas minhas de cremes/sopas, de forma a dar-vos algumas sugestões para, quem sabe, tornar essa simples varinha mágica numa das vossas melhores amigas na cozinha! 

RECEITA NA CATEGORIA DE SOPAS: Creme de Marisco

Ingredientes:
  • 1 embalagem de creme de marisco de compra
  • 2 alhos francês
  • 1 cebola
  • 2 alhos
  • 1 couve-flor
  • 1 bróculo
  • 2 cenouras
  • mini gressinos integrais de compra
  • delícias do mar previamente cozidas
  • salsa picada q. b.

Confeção:

  1. Seguir as respetivas instruções contidas na embalagem do creme de marisco de compra
  2. Adicionar os alhos franceses, a cebola, os alhos, a couve-flor, o bróculo e as cenouras, deixando cozer tudo em lume brando
  3. Triturar o preparado anterior com a varinha mágica
  4. Ao servir, colocar por cima algumas das delícias do mar previamente cozidas, tal como umas partes de “mini gressinos integrais” de compra cortados aos bocados, bem como salsa picada q. b.
RECEITA NA CATEGORIA DE SOPAS: Creme de Agrião e Feijão Branco
Ingredientes:
  • 1 molho de agrião
  • 4 batatas
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho
  • 2 cenouras
  • 1 frasco de feijão branco cozido
  • azeite e sal q. b.

Confeção:

  1. Levar ao lume uma panela com 2/3 de água e azeite q. b.
  2. Preparar os agriões, escolhendo-os e passando-os muito bem por água, bem como no caso dos feijões contidos no frasco
  3. Cortar aos pedaços os restantes ingredientes e reservar
  4. Quando a água da panela começar a ferver, verter todos os ingredientes e deixar cozinhar tudo em lume brando, temperando de sal q. b.
  5. Triturar tudo com a ajuda de uma varinha mágica, até se obter um creme aveludado
RECEITA NA CATEGORIA DE SOPAS: Creme de Feijão Verde

Ingredientes:
  • Azeite e sal q. b.
  • 4 cenouras
  • 6 batatas
  • 1 cebola
  • 1 alho francês
  • 1 courgete
  • 1 pacote de feijão verde já cortado de compra

Confeção:

  1. Colocar uma panela com água a 2/3 e azeite ao lume até começar a ferver (podem, em alternativa, colocar o azeite só no fim)
  2. Preparar os legumes, cortando-os aos pedaços e lavando-os bem: cenouras, batatas, cebola, alho francês e courgete
  3. Deitar na panela referida anteriormente, o preparado anterior, e deixar cozer, temperando de sal q. b.
  4. Triturar tudo muito bem com a varinha mágica
  5. Adicionar o feijão verde e deixar ainda apurar um pouco, em lume brando
RECEITA NA CATEGORIA DE SOPAS: Caldo Verde

Ingredientes:
  • 1 embalagem de couve de compra já cortada para caldo verde
  • 6 batatas médias
  • 1 alho francês
  • 1 nabo
  • 1 cebola
  • sal q. b.
  • 2 dl azeite
  • 1 chouriço

Confeção:

  1. Colocar ao lume, numa panela, a água até 2/3 de altura e o sal.
  2. Logo que começar a ferver, colocar as batatas descascadas e cortadas em pedaços, tal como o alho francês, o nabo e a cebola.
  3. Introduzir também o chouriço inteiro.
  4. Estando tudo cozido e tendo entretanto retirado o chouriço, triturar o preparado anterior com a varinha mágica.
  5. Juntar a couve cortada para caldo verde, para além do azeite.
  6. Deixar levantar a verdura e cozer a verdura em lume brando, para logo a seguir servir, adicionando rodelas do chouriço reservado para dar gosto.
Para mais informações, por favor clicar em:

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A MERCEARIA SALOIA E A SAUDADE FLORES JUNTAS NUM SÓ ESPAÇO!

Em primeiro lugar, a Mercearia Saloia é um espaço com alguma dimensão, com cerca de dois anos e meio de existência, localizada numa zona muito bem posicionada de Lisboa, onde já fora predominantemente do tipo residencial. 
Em segundo lugar, a sua morada exata fica na Rua de São bento, em Lisboa, logo bem perto da Assembleia da República, estando sempre aberta ente as 9h e as 20h, exceto ao domingo que será só entre as 9h e as 19h, sendo que agora, durante o mês de julho, ao domingo fechará mais cedo, às 15h:

Neste momento, acolhe diferentes tipos de produtos e serviços, desde a venda de tudo quanto é necessário para encher a despensa da nossa própria casa, até ao facto de se puder encomendar um belo e genuíno arranjo de flores frescas da Saudade Flores enquanto se opta por tomar, ali mesmo, um simples café, bem como uma sopa acompanhada por uma sanduíche, uma tosta ou uma salada, e um sumo natural, por exemplo.

Logo ao entrar, deparamo-nos com uma decoração bastante simpática e acolhedora, com muitos traços em madeira e cestos de verga espalhados pelos vários conceitos que aí tão bem souberam conjugar: mercearia, florista e pastelaria. 

E apesar de ter sido pensado para um público estrangeiro, igualmente convida qualquer cliente português a entrar, podendo-se contar com todo um conjunto de produtos oriundos de várias zonas de Portugal, desde as marcas mais convencionadas que se podem encontrar em qualquer hipermercado, até às marcas mais antigas e tradicionais, como os sabonetes Confiança!

Posso ainda destacar a venda de produtos biológicos, envolvendo peças de fruta em geral ou legumes variados, para além de compotas, conservas, azeites, vinhos, licores, pães, queijos, chás e/ou chocolates artesanais; mas também existem alguns brinquedos do tempo das nossas avós, feitos em madeira ou envolvidos com cordas, artigos de toilette, bijuteria, tal como alguns exemplos de agendas, postais, cadernos, ímanes, etc. 

No que diz respeito ao tipo de refeições leves que aí costumam servir-se, perante um clima bastante descontraído e moderno, existem sempre opções vegetarianas e/ou vegan, bem como sobremesas do tipo sem glúten, para além da cerveja artesanal,tudo ao som de boa música ambiente!

Foi uma boa experiência e recomendase! 

Da próxima vez, quem sabe, eu não me decida a encomendar O Melhor Pão de Ló de Portugalou até o tão conhecido Pudim Abade de Priscos!

Para finalizar, a Saudade Flores, cuja autora desta simples mas grande ideia inovadora em Portugal é Ana Carolina, com quem tive então a oportunidade de falar um pouco enquanto trabalhava no seu balcão, começou por vender diversos tipos e tamanhos de arranjos florais numa simples bicicleta, por encomenda ou não, pelas ruas de Lisboa, que entretanto cresceu e logo se associou a Sara e Mariana, por sua vez mentoras do projeto Mercearia Saloia!

Resumindo e concluindo: temos à vista modernos arranjos florais, que resultam sempre bem, destinados não apenas a ocasiões especiais, muito bonitos e inspiradores, a preços acessíveis, sendo a frescura dos mesmos garantida através dos produtores locais e da preferência por flores da estação.

A reação das pessoas tem sido bastante positiva, vendendo-se, por exemplo, dependendo da altura do ano: sempre- vivas, cravos, hortênsias, malmequeres, rosas, girassóis, pnias, ranúnculos, túlipas, etc; distribuídas por arranjode diferentes tamanhos, contendo ainda algum tipo de verduras.
Também se pode ficar a par de todas as novidades a partir das respetivas redes sociais – Facebook e Instagram –, bem como através do site www.saudadeflores.com, onde de quando em vez se dão também a conhecer alguns workshops em torno de pormenores florais como tiaras e pulseiras.
Saudade Flores está igualmente patente no Jardim da Parada, em Campo de Ourique, Lisboa, aos finais de tarde de quintas e sextas.